Luiz Gonzaga, Princesa e Liberdade: uma homenagem ao rei do forró

Há 28 anos, o maior expoente da música nordestina deixou o nosso convívio: Luiz Gonzaga, o rei do forró.

O cantor faleceu no dia 2 de agosto de 1989, aos 76 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória. Autor de sucessos com Asa Branca, Luiz Gonzaga tem em sua discografia uma pequena relação com o estado da Paraíba, embora seja pernambucano. uma de suas músicas, “Paraíba”, ilustra de várias formas essa ligação: nela, o cantor faz várias referências ao nosso estado. Uma delas tem bastante ligação com os sentimentos de liberdade e soberania defendidos por esse Instituto: a Revolta de Princesa, ocorrida na região do vale do Piancó e que viria a originar o Território de Princesa.

A revolta foi organizada no ano de 1930, quando o estado da Paraíba era governado por João Pessoa – que viria a ser candidato a vice-presidente naquele mesmo ano, dentro da chapa encabeçada por Getúlio Vargas. O governo estadual de João Pessoa era visto com desconfiança por alguns coronéis da região da serra de Teixeira e do Piancó, próximas a atual cidade de Princesa Isabel, no sul do sertão paraibano. Esses coronéis, liderados por José Pereira, não apoiavam o governo estadual e queriam sua independência em relação à Paraíba.

Então, em 28 de fevereiro de 1930, eles se organizaram, e sob a liderança de Pereira formaram o chamado Território Livre de Princesa, separando o sul do sertão paraibano e criando um estado independente, subordinado diretamente ao governo federal. A microrregião, que ficava entre os estados da Paraíba e Pernambuco, tornou-se mais um estado, o qual manteve a sua condição por cerca de 6 meses, resistindo a todas as tentativas políticas e militares de supressão do movimento.

A revolta e separação da região foi um acontecimento de tamanha importância e alcance que ultrapassou as fronteiras brasileiras. A revista TIME, dos Estados Unidos, destacou o movimento em uma longa reportagem.

Com a morte de João Pessoa, o movimento foi perdendo motivação: ainda em 1930, as tropas se renderam e Princesa foi reintegrada ao território paraibano. Infelizmente existem poucas informações a respeito da revolta, o que a torna pouco conhecida. Cabe aos movimentos libertários fazerem o resgate histórico e trazer a tona a tradição de luta por independência e separação em nosso estado. Assim como Luiz Gonzaga fez em seus versos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.